segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Sem medo


Sempre tive a clara impressão de que, ao contrario do que muitos dizem, o BDSM é praticado principalmente por pessoas com um autocontrole e autoconhecimento maior do que a maioria. Muitos dizem que sentir prazer com a dor é alguma forma de sociopatia (não descordo) pode sim ser uma reação a algum comportamento como este, mas o que vejo entre os que conheço no meio BDSMer são pessoas centradas, positivas, inteligentes e que buscam nos sentidos humanos formas diferenciadas de chegar ao prazer. Para isso, insisto, é imprescindível que os dispostos a praticar tais práticas busquem informação e conhecimento constantemente.



Achei muito bom o livro Wilma Azevedo - "Sadomasoquismo sem Medo" e acho uma leitura importante. Tanto para os que já se aventuram ou tem curiosidade sobre o assunto quanto para os leigos que gostam de "atirar pedras" sem conhecimento e embasamento nenhum.





Sado masoquismo

Sem  medo



"Qual é o limite do ser humano em relação ao sexo? Talvez esteja na fronteira que separa o jardim das delícias, de onde fomos expulsos ao morder a maçã. As fantasias não têm limites; por mais estranhas que possam parecer, sempre têm explicações. Em nossa infância encontramos fatos onde o despertar sexual marcou-nos de alguma forma, ligando as primeiras impressões que tivemos sobre sexo, para o resto de nossas vidas.

A sensível perspicácia de psicólogos e sexólogos confirmam que “a mente rege o corpo”. Por isso cada um tem sua própria maneira de fantasiar e usufruir dos prazeres sexuais. Mas a sociedade é muito rígida ao julgar atos alheios, quando desejam ser “diferentes”. Desde o “pecado original” estamos condenados a seguir um padrão estipulado pela maioria. Os que ultrapassam esses limites, se fazem felizes com todo direito de quem transgride as leis dos que “atiram a primeira pedra”.


A Dra. Maria Tereza Zanella que tinha uma coluna na revista Nova, em abril de 9l, ao responder a

pergunta de uma leitora, me esclareceu muito:
P. As pessoas realmente têm limites diferentes de dor ou isso é um mito?
R. Apesar de o fenômeno da dor ainda ser subjetivo, complexo, sabe-se que funciona como um sinal de alerta: indica que algo no corpo não vai bem e precisa de tratamento. É, portanto, um mal necessário. Está comprovado que algumas pessoas são mais sensíveis aos estímulos dolorosos. Essa diferença provavelmente tem explicação psicológica. A ansiedade, assim como a depressão, por exemplo, são fatores que contribuem para intensificar a dor, podendo ser até desproporcional à lesão orgânica que a causou (como uma queimadura). Sendo assim, o primeiro passo para sentir menos dor é controlar os fatores emocionais (exatamente o que se tenta fazer nos cursos de preparação para o parto “sem dor”). Importante: a dor não permanece na mesma intensidade o tempo todo após a lesão. É que o próprio corpo, por meio de um “aviso” dos nervos, libera substâncias naturais para amenizar a dor. (É o que acontece com quem está predisposto a sentir prazer e não dor.) "


Trecho retirado de:



Azevedo, Wilma.

S.em m.edo / Wilma Azevedo. – pag 20-31;São Paulo : Iglu, 1998.




4 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada Gabriella!! Bom ter você por aqui!

      Excluir
  2. Oi Katy, parabéns pelo blog! Ótimo texto, concordo com você, quando diz que os praticantes do bdsm, tem ou devem possuir um autoconhecimento e autocontrole. Quanto à sociopatia(ou psicopatia) ou mesmo traços destes sentimentos, acho que estão presentes em pseudo doms, já que eles procuram somente um prazer solitário e desprezam totalmente as vontades e sentimentos alheios. Continue sempre assim com seus ótimos textos e certamente ganhará seguidores e ajudrá muitas mulheres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Dom Fábio! Como sempre concordo plenamente com a sua visão.

      Excluir